Declaração à Assembleia de Freguesia 16-02-18

DECLARAÇÃO DIRIGIDA À ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DA UNIÃO DAS FREGUESIAS DE SINTRA REUNIDA EM SESSÃO EXTRAORDINARIA NA SOCIEDADE FILARMÓNICA OS ALIADOS EM 2018-02-16

 

  • Os cidadãos abaixo assinados, devidamente identificados, vêm congratular-se com o propósito de infra-estruturação da Praça D. Fernando II, vulgo Largo da Feira, com a manutenção das espécies arbóreas e da calçada de malhete largo existente.
  • Qualquer intervenção no local deve ter como objectivo o reforço da sua identidade histórica e da sua utilidade social, numa perspectiva de espaço público de qualidade e sustentável. Contudo, o projecto da autoria do Município produziria uma profunda alteração na natureza deste Rossio, historicamente conhecido pela informalidade da sua utilização pedonal, espaço de estadia e feira tradicional, onde a presença do automóvel sempre esteve afastada da estrutura espacial formal, representando um elemento estranho.
  • Esta intervenção aparece à revelia das boas práticas de gestão autárquica e das mais recentes teorias urbanísticas que privilegiam o peão em detrimento do automóvel.
  • Seria coerente a existência de algum estacionamento a implantar na Rua Marquês de Viana e Rua Serpa Pinto, com um total máximo de 30 a 40 lugares, devolvendo a praça ao usufruto da população.
  • Determinante será a instalação de parques de estacionamento periféricos, ou seja, fora do núcleo urbano de Sintra, servidos por uma rede de transportes ecológicos e integrados, interligando São Pedro de Sintra, Chão de Meninos, Portela, Estefânia e Vila Velha, bem como os monumentos localizados na Serra, por forma a permitir que o estacionamento no Centro Histórico se restrinja às bolsas existentes e a delinear nas vias rodoviárias, tendencialmente reservado a residentes, bem como ao movimento de cargas e descargas e à tomada e largada de passageiros.

De acordo com os pressupostos anteriores, manifestamos a nossa frontal oposição à criação de um parque de estacionamento neste local emblemático.

Requer-se a junção da presente declaração à acta respectiva.

São Pedro de Sintra, 16 de Fevereiro de 2018

WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: